Federação Interestadual dos Policiais Civis das Regiões Centro-Oeste e Norte.

Vice-Presidente da FEIPOL-CON, representa entidade em reunião com o Coordenador de Estratégias da SENASP.

O Vice-Presidente da Federação dos Policiais Civis das Regiões Centro-Oeste e Norte, Marcus Monteiro, participou, juntamente com a Presidência da COBRAPOL, André Gutierrez e as demais federações regionais, de reunião com o Coordenador de Estratégias da SENASP, Coronel Luiz Cláudio Laviano.

O objetivo da reunião foi dialogar com a nova gestão da SENASP sobre o Projeto de Lei Orgânica Nacional e a ideia de modernização e eficiência da Polícia Civil, com o Cargo Único e a Carreira Única. Durante a reunião foram expostas todas as dificuldades enfrentadas para se efetivar projetos que de fato modernizem a Instituição, em especial por conta do lobby corporativo patrocinado pelos delegados. “Precisamos evoluir e os intentos mesquinhos e corporativos de um único cargo não podem prevalecer frente a toda uma categoria, muito menos no que tange ao que é bom para sociedade”, destacou Monteiro.

As entidades presentes esclareceram os avanços promovidos pela proposta da COBRAPOL e deixaram claro que estão construindo com os delegados alguns entendimentos e que se espera que um texto somente saia da SENASP com um consenso avalizado pela representação da ampla maioria dos Policiais Civis do Brasil. “Acreditamos que ficou claro os esforços em construir um entendimento por parte das Federações e da COBRAPOL com os delegados, mas não podemos ficar refém dos caprichos destes”, afirmou o Vice-Presidente da FEIPOL-CON

Durante a reunião se estabeleceu caminhos a se percorrer junto ao Congresso Nacional, assim como mais uma vez, agora em definitivo, construir um entendimento mínimo com a categoria dos delegados, para assim termos um texto que de fato promova melhorias para os Policiais Civis nos Estados. A ideia é que tal entendimento seja construído nas próximas semanas, sob o risco de adiarmos mais uma vez um projeto que tem potencial para regularizar de forma consolidada uma estrutura minimamente funcional às Policias Civis, bem como evoluir em alguns direitos que são preteridos aos policiais civis em alguns estados. “O texto de Lei Orgânica para a Policia Militar caminha a passos largos e não podemos deixar essa oportunidade para a categoria que representamos ficar no esquecimento. Acreditamos na habilidade das entidades e esperamos uma definição já na reunião pré-agendada com as SENASP, que deve ocorrer com a representação dos delegados, COBRAPOL e Federações, muito em breve”, finalizou, Monteiro.

Compartilhar.